Desidratação

É a falta de água no organismo, causada por perdas anormais, como diarreia e/ou vômitos. Quando não tratada pode levar a consequências graves e até ao óbito.




Algumas manifestações da desidratação são irritação, sede e redução da frequência da micção e da quantidade de urina. Em grau mais acentuado, observam-se olhos fundos, ausência de lágrimas e sede excessiva. Na desidratação grave, a criança ainda apresenta-se prostrada e pode não tolerar a ingestão de líquidos. Toda criança com sinais de desidratação deve procurar atendimento para que seja realizada a terapia de reidratação, oral ou venosa, dependendo da gravidade.


Nos casos de diarreia ou vômitos, mesmo sem sinais de desidratação, é necessário prevenir essa situação. Isso pode ser feito em casa, fornecendo à criança mais líquidos que o habitual, em pequenas quantidades, porém várias vezes ao dia. Esses líquidos podem ser água, sucos, chás e sopas. Soro caseiro ou sais de reidratação oral podem ser necessários, devendo ser fornecidos aos poucos após cada evacuação ou vômito, tentando repor aproximadamente o volume de líquido perdido. A dieta habitual deve ser mantida. Caso não se obtenha melhora ou haja piora da diarreia, recusa de alimentos, vômitos repetidos, febre, muita sede ou sangue nas fezes, deve-se procurar o atendimento de urgência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Variabilidade da frequência cardíaca pode determinar risco de morte nasepse

Trombose de veia porta após cateterismo venoso umbilical: revisão da epidemiologia, profilaxia, diagnóstico e tratamento

Raquitismo