Erupção

No corpo, febre eruptiva ou exantema é o nome dado para manifestações na pele de várias doenças, algumas muito conhecidas, como o sarampo, a rubéola ou a catapora.



Geralmente trata-se de uma doença aguda, que surgiu há um, dois ou três dias e que provoca manchas róseas ou avermelhadas na pele. Passando a mão pela pele sente-se que geralmente ela está um pouco mais alta nas áreas manchadas, as vezes de maneira bem fácil de se perceber, podendo ainda estar áspera como lixa. Em algumas erupções logo aparecem carocinhos ou bolinhas com conteúdo líquido claro ou turvo, na pele, como na catapora.

Algumas doenças eruptivas também apresentam manifestações na boca, olhos e vagina (enantemas ou erupções internas). Além das doenças eruptivas mais conhecidas existem ainda a escarlatina, o eritema infeccioso, o exantema súbito (roséola infantil), o molusco contagioso, o herpes e muitas outras, geralmente causadas por vírus. A maioria delas é contagiosa, ou seja, passa de uma pessoa para outra. Por isso, toda criança com exantema deve ser isolada, até ser feito o diagnóstico de certeza, indicado o tratamento e os cuidados necessários e orientado sobre quantos dias a criança deve ficar sem ir à creche ou escola. A maioria delas dura em torno de uma semana.
Algumas doenças são fáceis para a família identificar, ou porque são muito comuns e conhecidas de várias pessoas, como a catapora, ou porque estão acontecendo muitos casos quase ao mesmo tempo. Algumas não são contagiosas, como as alergias de picadas de inseto (chamada de prurigo) e as reações por alergias de medicamentos ou alimentos.
As erupções em que a criança está muito abatida, as que as manchas são arroxeadas e as que demoram mais de cinco dias para desaparecer são motivo de maior preocupação, e de se levar mais rapidamente ao Centro de Saúde ou ao pediatra (meningite, dengue). Você poderá conhecer mais sobre as doenças eruptivas procurando pelo nome da doença e lendo sobre ela.

Nota: para diagnosticar e orientar sobre exantemas é importante 1) ter lido sobre diagnóstico diferencial 2) na anamnese rever sistematicamente: vacinações e doenças anteriores (estado imunológico), dados epidemiológicos (contacto, doenças na comunidade), uso de medicamentos (alergias), pródromos e padrão da febre 3) considerar que freqüentemente o diagnóstico é feito por exclusão – pensar primeiro em doenças graves (meningite por hemófilo ou meningococo com manifestações sistêmicas? Septicemia? Dengue?), em doenças que necessitam antibiótico (escarlatina?),em doenças de complicações graves (sarampo) ou de risco grave para contatos (rubéola – mais freqüente – e eritema infeccioso – menos freqüente – para grávidas 4) orientar sobre risco para contatos e tempo de afastamento da escola ou creche – eritema infeccioso é contagiante só antes do exantema 5) prurigo é a doença que mais se confunde com varicela e se complica freqüentemente comimpetigo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Variabilidade da frequência cardíaca pode determinar risco de morte nasepse

Trombose de veia porta após cateterismo venoso umbilical: revisão da epidemiologia, profilaxia, diagnóstico e tratamento

Raquitismo