Estrabismo

É a falta de paralelismo dos olhos, ou seja, a incapacidade dos dois olhos funcionarem juntos ao fixarem um objeto, sem que ocorra desvio de um olho. Esse desvio pode existir sem maiores problemas até os seis meses. A avaliação do paralelismo dos olhos deve ser feita de rotina nas consultas de controle da criança. Se o estrabismo continua acima dos seis meses, deve ser avaliado por especialista e, se for confirmado, deverá ter um tratamento especial.

Um dos motivos do estrabismo precisar ser tratado é que as crianças passam a receber apelidos: caolho, zarolho, vesgo, etc. e ficam complexadas. Entretanto não é só esse o problema. O estrabismo não tratado leva a diminuição da visão do olho afetado, as vezes de forma definitiva. Por isso o tratamento deverá ser o mais precoce possível e possivelmente será indicada a oclusão (uso de tampão) no olho não estrábico, para forçar o uso do olho estrábico e evitar a perda de visão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Variabilidade da frequência cardíaca pode determinar risco de morte nasepse

Trombose de veia porta após cateterismo venoso umbilical: revisão da epidemiologia, profilaxia, diagnóstico e tratamento

Raquitismo