Ferimentos superficiais

São geralmente decorrentes de acidentes. É importante distinguir os que podem ser tratados em casa e os que precisam de cuidados no Centro de Saúde ou no Hospital.



Alguns ferimentos são chamados de fechados, porque não há corte na pele. São os machucados decorrentes de batidas ou quedas, em que há dor local, depois inchaço (edema) ou um arroxeado na pele (equimoses e hematomas). Deve-se sempre observar se os movimentos estão normais, se a dor não é excessiva, o que poderia indicar maior gravidade, como uma fratura óssea. Outros ferimentos são os abertos, porque há corte ou abertura na pele. Podem ser superficiais (escoriações, como “ralar” o joelho) ou profundos (cortes ou perfurações). Nesses casos também é importante verificar se não há perda de movimentos, risco de fratura ou de ter sido atingida uma parte interna do corpo.

O tratamento geral das feridas é:

  • A pessoa que vai dar o primeiro cuidado deve sempre lavar suas mãos com água e sabão.
    Lavar a área ferida com água abundante e sabão.
    Se a ferida é fechada, e não há sinais de gravidade, aplicar gelo durante uma a três horas; manter a área acometida em repouso. Se mais tarde, geralmente no dia seguinte, o local ainda estiver inchado e dolorido, aplicar calor local para acelerar a cura.

  • Nas feridas abertas superficiais e nos cortes pequenos, após os cuidados de limpeza, fazer pressão com gaze seca se estiver sangrando e mantendo a parte ferida em posição mais alta. Cessado o sangramento deve ser feito curativo com gaze fixada com esparadrapo, que deve ser retirada no dia seguinte.

  • Nos casos de feridas abertas profundas deve-se procurar atendimento médico.

  • Em toda ocasião em que há ferimento é importante verificar se a vacinação antitetânica está em dia. Vacinas tomadas há mais de cinco anos devem ser repetidas.

  • Sempre que há dúvida sobre a gravidade ou se há necessidade de pontos, deve-se levar a criança ao Centro de Saúde ou Hospital mais próximo, para avaliação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Variabilidade da frequência cardíaca pode determinar risco de morte nasepse

Trombose de veia porta após cateterismo venoso umbilical: revisão da epidemiologia, profilaxia, diagnóstico e tratamento

Raquitismo