Dia Nacional do Teste do Pezinho reforça a importância do exame

Este dia 6 de junho pode passar despercebido para muita gente. Mas certamente 3.731 pessoas espalhadas pelo território de Minas Gerais irão se lembrar do Dia Nacional do Teste do Pezinho, exame que possibilita o diagnóstico precoce de hipotireoidismo congênito, fenilcetonúria, doença falciforme e fibrose cística. Em todo o estado, os portadores dessas doenças são acompanhados pelo Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico da Faculdade de Medicina da UFMG (Nupad). Graças ao diagnóstico prematuro, os sintomas podem ser amenizados e muitos dos mais de 3 mil pacientes levam uma vida normal.

Teste do Pezinho

Teste do pezinho é o apelido dado ao exame de triagem neonatal, justamente porque consiste na coleta de uma gota de sangue do calcanhar do neném. Este procedimento é realizado nas unidades de saúde de cada município, sempre no quinto dia de vida da criança, quando também são feitas a pesagem, medição e aplicação da vacina BCG. O Dia Nacional do Teste do Pezinho foi instituído pelo Governo Federal e é comemorado desde 2008. A data busca reforçar a necessidade do exame para todos os recém-nascidos e estimular a conscientização da população brasileira para a importância do diagnóstico precoce e do trabalho de acompanhamento dos bebês enfermos.

Marcos Borato Viana, professor da Faculdade de Medicina e coordenador acadêmico do Nupad, explica que o hipotireoidismo congênito e a fenilcetonúria, na ausência do tratamento, têm como consequência o retardo mental. A fibrose cística, por sua vez, causa danos ao pulmão e pode levar à morte por insuficiência antes dos 10 anos. Já a doença falciforme, se o início do tratamento for tardio, também tem consequências sérias. Daí a importância do diagnóstico precoce. “O Nupad atende a todos os municípios de Minas Gerais e é responsável por analisar o sangue coletado na triagem neonatal. São cerca de 23 mil bebês por mês”, ressalta Marcos Borato. O resultado laboratorial sai em dois dias.

Qualidade e pioneirismo

De acordo com Marcos Borato, o Nupad utiliza as

Teste do Pezinho

técnicas mais recomendadas sob o ponto de vista da literatura científica moderna e realiza o melhor tipo

de exame possível. “É o segundo maior programa do mundo, atrás apenas de um estado americano, mas ambos se equiparam em termos de qualidade”, diz o professor, ressaltando a importância de não apenas diagnosticar, mas também de acompanhar o tratamento dos pacientes.

 

Marcos Borato explica que após a primeira análise laboratorial, caso exista suspeita de doença, o exame deve ser repetido. O segundo teste é agendado pelo próprio Nupad e realizado por seus parceiros. “No caso da anemia falciforme, quem atende é a Hemominas. No Hospital das Clínicas são atendidos os casos suspeitos de hipotireoidismo congênito, fenilcetonúria e fibrose cística, em seus ambulatórios específicos.”, indica.

O Ministério da Saúde implantou o Programa Nacional de Triagem Neonatal em 2001, mas já em 1993 o Nupad realizava exames de hipotireoidismo congênito e fenilcetonúria, o que garantiu o pioneirismo de Minas Gerais. Cinco anos mais tarde, incluiu o diagnóstico de doença falciforme, vinculado à Secretaria de Saúde do Estado. Quando surgiu o programa do Ministério da Saúde, passou a ser financiado por recursos federais.

 

(FONTE: PORTAL DA FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Variabilidade da frequência cardíaca pode determinar risco de morte nasepse

Trombose de veia porta após cateterismo venoso umbilical: revisão da epidemiologia, profilaxia, diagnóstico e tratamento

Raquitismo