Risco de Hepatite A é maior no verão

O verão é a estação dos programas ao ar livre, de férias escolares, das viagens com as crianças para a praia e de menor rigor com os hábitos alimentares. No entanto, é preciso tomar alguns cuidados para evitar que a diversão termine antes do tempo. O maior contato com o meio ambiente, afrequente aglomeração de pessoas e a precariedade na conservação da água e dos alimentos são fatores de risco para contrair a hepatite A.

 

Verão é época mais propícia para contrair hepatite A.

Frutos do mar, vegetais ou frutas cruas, ingestão de água de fonte desconhecida ou contaminada e alimentos manipulados por indivíduos infectados com o vírus VHA são muito perigosos.  Os surtos podem ser provocados, ainda, pela ingestão de alimentos e água – doce ou salgada – contaminados e viagens para áreas endêmicas. Quem explica é a infectologista e professora do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da UFMG, Glaucia Queiroz Andrade.

“O contágio acontece via fecal-oral e é mais comum em crianças com até 5 anos. Nesta idade, a transmissão é fácil devido ao não controle das fezes, falta de higiene anal adequada e comportamento predominantemente oral, isto é, tudo é levado à boca”, analisa a especialista.

Ela explica que a prevalência da hepatite A está relacionada às condições socioeconômicas e sanitárias da população e podem variar muito entre as regiões de um mesmo país. Enquanto em algumas regiões do Brasil o índice é de 75% de crianças contaminadas, no Sul este índice cai para 11% entre crianças de alto padrão de vida.

De acordo com Gláucia Andrade, na maioria dos casos a criança não apresenta sintomas e a infecção passa despercebida. As manifestações clínicas estão diretamente relacionadas à idade dos indivíduos acometidos: quanto mais jovem maior é a ausência de sintomas ou esses são discretos. Quando sintomática, o quadro se inicia com desânimo, febre, dores musculares e abdominais, náuseas e vômitos e pode evoluir, causando icterícia e colúria (urina escura), aumento do fígado (80% dos casos) e do baço (20%) e convalescência.

Entre as medidas preventivas, pode-se destacar a melhoria das condições sanitárias e de higiene das pessoas; uso de imunoglobulina comum intramuscular até 14 dias após o contato com o indivíduo infectado; e imunização por meio de vacinas em indivíduos que ainda não tiveram contato com o vírus. Ele não está disponível nas unidades básicas de saúde para uso de rotina em indivíduos saudáveis, mas pode ser encontrada em clínicas particulares e no Centro de Imunobiológicos Especiais (CRIE).

“As vacinas podem ser aplicadas a partir de um ano de vida, por via intramuscular. São utilizadas duas doses com intervalo de 6 a 12 meses entre elas. É eficaz e segura, com poucos e discretos efeitos adversos”, garante a infectologista. A proteção da vacina dura pelo menos 5 a 10 anos, podendo durar até 20 anos.

A professora ressalta que não existe, até o momento, nenhuma terapêutica específica para a Hepatite ARepouso e alimentação de acordo com a necessidade e o apetite do paciente, além de evitar medicamentos desnecessários, ajudam. “A maioria dos pacientes evolui bem com resolução espontânea do quadro, mas quando o caso é grave é necessário internação”, orienta a especialista.

Fonte: Portal da Faculdade de Medicina da UFMG

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Variabilidade da frequência cardíaca pode determinar risco de morte nasepse

Trombose de veia porta após cateterismo venoso umbilical: revisão da epidemiologia, profilaxia, diagnóstico e tratamento

Raquitismo