Projeto Erica prepara supervisores em MG

O Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes (projeto Erica), que vai buscar o perfil dos fatores de risco para doenças cardiovasculares em adolescentes de escolas de todo o país, encerra hoje à tarde o treinamento teórico e prático dos supervisores que participarão da pesquisa no estado. Serão, em Minas Gerais, oito supervisores responsáveis pelo acompanhamento da coleta de dados no campo e transferência desses dados para o sistema, e de escolas.

 

 

 

Projeto Erica prepara supervisores em MG


O Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes (projeto Erica), que vai buscar o perfil dos fatores de risco para doenças cardiovasculares em adolescentes de escolas de todo o país, encerra hoje à tarde o treinamento teórico e prático dos supervisores que participarão da pesquisa no estado.

Serão, em Minas Gerais, oito supervisores, que podem ser de campo, responsáveis pelo acompanhamento da coleta de dados no campo e transferência desses dados para o sistema, e de escolas, que farão o contato com as escolas e sensibilização dos alunos.

De acordo com uma das coordenadoras centrais do projeto, Maria Cristina Kuschnir , da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no dia 6 de maio serão iniciadas as visitas às 56 escolas, públicas e particulares, de 11 municípios mineiros. “As escolas foram sorteadas de forma aleatória, a partir de método desenvolvido na UFRJ que será reproduzido em todo o Brasil, para garantir que seja uma amostra representativa”, explica Maria Cristina. No total, serão avaliadas as condições de saúde de cerca de 75 mil estudantes entre 12 e 17 anos, de todas as regiões do país.

 

Promoção de saúde


Para a professora do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da UFMG Cristiane Freitas, é importante frisar que o projeto tem um papel importante para a promoção da saúde junto aos adolescentes. “Além dos dados coletados, a realização do Erica nas escolas também vai provocar efeitos secundários muito positivos, como ampliar o diálogo entre escolas, pais e alunos sobre saúde e chamar a atenção para a relação do adolescente com seus hábitos”, espera a professora. “Não é apenas um estudo de prevalência, também queremos aproximar os jovens da atenção primária à saúde e vice-versa, sem críticas”, afirma Cristiane, que coordena o projeto em Minas Gerais.

Em 2013, serão visitadas escolas das regiões sul, sudeste e centro-oeste do Brasil. As escolas das regiões nordeste e norte receberão as equipes do Erica em 2014. O Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes (Erica) é coordenado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e financiado pelo Ministério da Saúde.


Saiba mais sobre o projeto.


Mais informações sobre o Erica em Minas Gerais podem ser obtidas com as coordenadoras pelo e-mail: estudoerica.mg@gmail.com.

 

 

Assessoria de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG
jornalismo@medicina.ufmg.br

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Variabilidade da frequência cardíaca pode determinar risco de morte nasepse

Trombose de veia porta após cateterismo venoso umbilical: revisão da epidemiologia, profilaxia, diagnóstico e tratamento

Raquitismo