Varicela

 

Varicela ou Catapora é uma doença conhecida desde a antiguidade. O termo "Varicela" origina do termo francês varicelle e "Catapora" do tupi tatapora e significa "fogo que salta". Em 1875, o caráter infecto-contagioso da varicela foi comprovado por Steiner que inoculou a secreção das vesículas em voluntários hígidos. Em 1892, Von Bokay sugeriu que havia relação entre herpes-zoster e varicela, hipótese comprovada por Kundratiz, em 1925. Em 1943, Garland sugeriu que o zoster poderia ser uma reativação da varicela adquirida anteriormente.

O agente etiológico da varicela é um vírus de RNA, isolado por Weller e Stoddard em 1952, pertencente à família Herpetoviridae, cujo reservatório é o homem. É transmitida principalmente pela disseminação aérea de partículas virais/aerossóis, mas pode ser transmitida também através do contato direto com secreções de vesículas e membranas mucosas de pacientes infectados. Acomete principalmente crianças de um a dez anos de idade. O período de incubação é de 14-16 dias havendo possibilidade de transmissão de um a dois dias antes do surgimento das lesões até o desaparecimento da última vesícula (formação de crosta). É mais frequente no final do inverno e início da primavera. Manifesta-se por um período prodrômico caracterizado pelo surgimento súbito de febre baixa ou moderada, (podendo durar de horas até três dias) acompanhada de sintomas inespecíficos como cefaléia, anorexia, vômito e febre. Em seguida, ocorre o período exantemático com o surgimento de pequenas máculo-pápulas que em algumas horas tornam-se vesículas. Posteriormente, as vesículas se rompem e evoluem para formação de pústulas que, cerca de um a três dias depois formam crostas.


Surgem inicialmente no tronco e espalham-se para face, membros e couro cabeludo (distribuição centrípeta). Pela cor clara da vesícula sobre a base hiperemiada (vermelha) as lesões são conhecidas como "gota de orvalho em pétalas de rosa". Em geral, ocorrem dois a quatro ciclos de novas lesões, resultando em cerca de 200 a 500 lesões, que causam intenso prurido ("coceira") e estão presentes não apenas na pele, mas também em mucosas (oral, genital, respiratória e conjuntival). Após a fase de disseminação hematogênica, em que atinge a pele, o vírus desloca-se centripetamente pelos nervos periféricos até os gânglios nervosos, onde poderá permanecer, em latência, por toda a vida. Após vários anos, em 10 a 20% das pessoas que apresentaram varicela, pode ocorrer reativação viral com desenvolvimento de Herpez-zoster. Causas diversas podem levar a essa reativação do vírus, que, caminhando centrifugamente pelo nervo periférico, atinge a pele novamente. No período prodrômico, ocorrem dores nevrálgicas, parestesia (“formigamento”), ardor e prurido, acompanhados de febre, cefaléia e mal-estar. A lesão elementar é uma vesícula sobre base eritematosa distribuídas no território de um dermátomo sendo geralmente unilateral. 

Ao surgimento dos sintomas sugestivos de Varicela, é preciso buscar atendimento médico para confirmar o diagnóstico, evitar complicações e avaliar a necessidade de proteção dos comunicantes. O diagnóstico é essencialmente clínico, ou seja, na prática, não é necessário realizar exames laboratoriais para confirmar a presença da doença. O tratamento é fundamentado no uso de antihistamínicos sistêmicos, para atenuar o prurido, e de antitérmicos (paracetamol, dipirona), caso seja necessário controlar a febre. Os medicamentos que contenham em sua formulação o ácido acetilsalicílico não devem ser usados em crianças com Varicela, pela possibilidade de Síndrome de Reye (doença rara, de alta letalidade, que cursa com o comprometimento hepático agudo seguido de comprometimento cerebral sendo caracteriza-se por vômitos, irritabilidade, inquietude e diminuição progressiva do nível da consciência e edema cerebral). O prurido pode ser atenuado também com banhos ou compressas frias e com a aplicação de soluções líquidas contendo cânfora ou mentol ou óxido de zinco. A Varicela em crianças é uma doença benigna e em geral não necessita de tratamento específico sendo o uso de anti-virais reservado a casos específicos. Uma vez diagnosticada a varicela, é preciso afastar a criança do ambiente escolar, mantendo-a em casa, por um período de sete dias ou ate que todas as vesículas tenham se transformado em crostas. 

Deve-se saber se no contato escolar ou domiciliar da criança havia gestantes (menos de 16 semanas de gestação ou próximo da data do parto uma vez que pode levar à infecção fetal associada à embriopatia e síndrome da varicela congênita que se expressa por microftalmia, catarata, atrofia óptica e do sistema nervoso central), imunocomprometidos (podem ter a forma de varicela disseminada ou varicela hemorrágica) ou recém nascidos. Nesses casos, os comunicantes devem procurar atendimento médico e receberem soro contendo Imunoglobulina (anticorpos) anti-varicela em ate 96 horas após o contato. Para os comunicantes não imunes (vacinados ou que já tiveram a doença) e que não se encontram nessas situações, pode ser administrada a vacina (dose de bloqueio) em até 12 horas após o contato.
Apesar da evolução benigna principalmente em crianças, a varicela pode complicar com o desenvolvimento de infecções de pele (como eripsela, impetigo e celulite que podem evoluir para sepse), pneumonia (complicação que acomete de 16 a 50% dos adultos constituindo a principal causa de óbito), meningite, glomerulonefrite e cardite. A pneumonia, na maioria das vezes, ocorre entre 3 e 5 dias após o início da varicela e se caracteriza pelo aumento da freqüência respiratória, tosse, falta de ar e febre. Em geral, nos casos leves, tem resolução espontânea em 24 a 72 horas. Entretanto, até 30% dos casos com manifestações mais exuberantes podem evoluir de forma grave, progredindo rapidamente para insuficiência respiratória e óbito.

Atualmente, há vacina contra a varicela disponível gratuitamente para todas as crianças a partir de 12 meses até 12 anos de idade em duas doses (uma dose aos 12 meses e reforço aos 5 anos). Acima dessa idade, deve ser administrada em duas doses com intervalo de 4 a 8 semanas entre elas e confere imunidade permanente. Mas deve-se evitar a gravidez por 30 dias após a vacina e pacientes em uso de corticóides (equivalente a 2mg/Kg/dia ou mais prednisona, durante 14 dias ou mais) devem interromper a medicação e aguardar 30 dias para serem vacinados. Dor transitória, hiperestesia, rubor no local da aplicação podem ocorrer em torno de 6% das crianças vacinas e em 10 a 20% dos adultos. Um mês após a vacinação, em cerca de 7 a 8% dos indivíduos, pode ocorrer o exantema típico da varicela, mas em pequena intensidade. Medicamentos contendo ácido acetil-salicílico também não devem ser usados durante seis semanas após a vacinação, por terem sido associados à ocorrência de síndrome de Reye.

 

 

Referência bibliográficas

ANVISA. Disponível em:<http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/Anvisa+Portal/Anvisa/Inicio/Portos+Aeroportos+e+Fronteiras/Publicacao+Portos+Aeroportos+e+Fronteiras/Varicela> Acesso em 22 de novembro de 2012.

Bricks, LF; Resegue, R. - Pediatria São Paulo - Varicela-Zoster: Nova Perspectiva de Controle para uma Antiga Doença , 18(3): 134-145 - 1996. Disponível  em: Acesso em 30/11/2012

Características da Varicela, 2012. Disponível em:. Aceso em 10 de janeiro de 2013

Carvalho, E - Jornal de Pediatria - volume 75 - número 6 - Nov/Dez 1999 - Varicela no Brasil - Importância e Epidemiologia. Disponível em: Acesso em 30/11/2012

Carvalho, Eduardo; Martins, RM - Jornal de Pediatria - volume 75 - suplemento 1 (junho e agosto), 1999 - s126. Disponível em: Acesso em 30/11/2012

INFORME TÉCNICO - VARICELA / 2003 . Disponível em: Acesso em 20 de novembro de 2012

Kamiya, H; Ito, M - Current Opinion in Pediatrics - Update on Varicella Vaccine - 1999, 11:3-8. Disponível em: Acesso em 30/11/2012

LEÃO, Ênnio. Pediatria ambulatorial. 4. ed. Belo Horizonte: COOPMED/UFMG, 2005. 1034 p. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos - VacinaTetraviral (Sarampo, Caxumba, Rubéola e Varicela) – Agosto 2012. Disponível em:. Acesso em 22 de novembro de 2012.

Protocolo de Varicela, 2011. GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE - SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA e PROTEÇÂO A SAÚDE Disponível em:. Acesso em 20 de novembro de 2012

Varicela – Fiocruz, 2012. Disponível em :. Acesso em 10 de janeiro de 2013.

Varicela. Disponível em:. Acesso em 22 de novembro de 2012.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Variabilidade da frequência cardíaca pode determinar risco de morte nasepse

Trombose de veia porta após cateterismo venoso umbilical: revisão da epidemiologia, profilaxia, diagnóstico e tratamento

Raquitismo