Jovens ingressam no tráfico em busca de respeito

Estudo da Faculdade de Medicina da UFMG relaciona desejo de reconhecimento social com entrada de adolescentes no tráfico de drogas.

 

O que leva um adolescente a ingressar e a sair do tráfico de drogas? Estas motivações foram objeto de estudo da psicóloga Mônica Brandão e Souza, autora de dissertação de mestrado defendida junto ao Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde e Prevenção da Violência da Faculdade de Medicina da UFMG.

A necessidade de autoafirmação foi a principal justificativa dos jovens entrevistados, que cumpriam medida socioeducativa. “Os jovens declararam existir uma necessidade material que os impulsiona para a atividade, mas em suas falas sempre aparece o tráfico como uma chance de ‘brilhar’, construir o seu lugar de respeito no mundo”, explica Mônica.

“Muitos deles não querem seguir as profissões subservientes que seus pais sustentaram na vida. Eles querem outra coisa, romperam com essa lógica”, afirma. A partir dessa constatação, a pesquisadora defende a necessidade das instituições públicas se reposicionarem em relação a esse jovem.

Afastar esses jovens do crime, portanto, vai além da oferta de educação e emprego em níveis básicos. Acesso ao ensino superior e qualificação profissional são iniciativas importantes para convencê-los da possibilidade de uma vida digna fora do tráfico. “Para esses adolescentes, não se trata apenas da geração de renda. Trata-se de construir um lugar na sociedade, um lugar de apreço”, reforça Mônica.

Ilusão

Integrante da equipe do Serviço de Proteção Social ao Adolescente em Cumprimento de Medidas Socioeducativas da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte desde 1998, Mônica notou o crescimento no número de jovens encaminhados para o cumprimento destas medidas implicados com o tráfico de drogas.  De acordo com dados do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, 24,5% das infrações registradas no período de 2009 a 2011 eram relacionadas a essa atividade, com aumento superior a 7% nos anos de 2010 e 2011. Cerca de 1,5 mil adolescentes são acompanhados por mês nesse serviço.

O próprio mundo do tráfico, no entanto, acaba afastando muitos desses adolescentes. Convivência com perdas, conflitos que surgem entre amigos e circulação restrita na cidade são alguns fatores que provocam desgaste na relação destes jovens com a atividade. O envolvimento com essa prática produz efeitos devastadores para a saúde e qualidade de vida dos mais jovens e muitos adolescentes, em razão desse envolvimento, acabam sendo vítimas de homicídio.

“É um trabalho extremamente precário, desgastante, e os adolescentes aos poucos começam a perceber que a realidade não está exatamente de acordo com o que pensavam antes de entrarem”, afirma Mônica. “É o que costumam chamar de ilusão do tráfico: a chance de brilhar revela-se bem diferente do imaginário construído, pois entrar no tráfico de drogas é entrar em uma guerra”.

Sair do tráfico, porém, não é uma decisão fácil, e alguns fatores acabam sendo fundamentais para isso. Paternidade, experiência amorosa mais forte, pagamento de dívidas, ameaça à própria vida, perda de amigos ou parentes, a presença de alguém que os ajudasse, como mãe ou avó e oportunidades que se abriram a partir do cumprimento da medida socioeducativa foram alguns dos motivos que se destacaram na pesquisa. “Percebemos que não há um único grande motivo que provoca a saída desses adolescentes, mas uma variedade de situações que colaboram para que o jovem decida por isso”, analisa Mônica.

 

Medidas socioeducativas

As sanções impostas a esses adolescentes estão previstas no Estatuto da Criança e do Adolescente, podendo ir da advertência à privação de liberdade. Para Mônica, porém, uma das medidas previstas se destaca: a liberdade assistida. “Esse tipo de trabalho permite mais contato com o adolescente e conta com a participação da família e da comunidade”, explica.

A liberdade assistida consiste em uma série de obrigações do jovem infrator, como frequência à escola e convivência familiar, além do acompanhamento semanal com psicólogos e assistentes sociais. “Os adolescentes são contundentes em dizer do valor de ter alguém que sustente uma presença nesse momento em que estão embaraçados com a lei”, aponta a pesquisadora. Além de possibilitar esse diálogo, que visa levar os adolescentes a se responsabilizarem pelo ato infracional cometido, o profissional pode viabilizar o acesso desses jovens a oportunidades de emprego, educação e saúde que por acaso necessitem.

Projetos

Mônica Brandão pretende desenvolver um trabalho de extensão em interface com a pesquisa que atue junto aos profissionais da saúde, educação, assistência social e segurança pública que atendem  esses adolescentes. “Sabemos que a incidência dessas medidas é pontual, e que é preciso um permanente trabalho das redes de atenção e promoção para que o jovem sustente a sua escolha e não insista em trilhar o caminho do tráfico”, afirma.

Com essa proposta, a pesquisadora contribui para a construção de um corpo teórico sobre o tema ao mesmo tempo em que auxilia na socioeducação desses adolescentes. “Cumprir uma medida socioeducativa é produzir uma resposta nova à sociedade”, observa Mônica. “Mas é também um momento em que a sociedade é chamada a dar uma resposta nova frente a esses adolescentes”, conclui.

 

Serviço

Título: Adolescentes em conflito com a lei: um estudo sobre os adolescentes no tráfico de drogas e o alcance das medidas socioeducativas em meio aberto

Nível: Mestrado Profissional

Autora: Mônica Brandão e Souza

Orientador: Cristiane de Freitas Cunha Grillo

Programa: Promoção de Saúde e Prevenção da Violência

Defesa: 1º de julho de 2013

 

 

Assessoria de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG
jornalismo@medicina.ufmg.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Variabilidade da frequência cardíaca pode determinar risco de morte nasepse

Trombose de veia porta após cateterismo venoso umbilical: revisão da epidemiologia, profilaxia, diagnóstico e tratamento

Raquitismo