Hábitos de vida saudáveis evitam problemas de hemorroidas

saudecomciencia“Doença hemorroidária é quando ocorre o sangramento e saída da pele que reveste a parte interna do ânus, o coxim hemorroidário”, define o professor do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da UFMG, Rodrigo Gomes. Segundo o coloproctologista, muitas pessoas não procuram atendimento médico devido à doença, popularmente conhecida como hemorroida, ser estigmatizada, e por medo de sentir dor ao realizar o exame local. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a doença acomete cerca de 50% da população global após os 50 anos. Além disso, 25 mil pacientes são operados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) a cada ano.

Os pacientes que percebem alguns dos sintomas da doença, como sangramento anal e prolapso (saída da pele para a parte exterior do ânus), demoram muito tempo para procurar um especialista e ter um diagnóstico correto. Isso porque o uso de pomadas que aliviam a dor é de fácil acesso a população. “Existe uma demora muito grande no paciente portador de doença hemorroidária em procurar assistência médica, sobretudo entre a população masculina. Isso traz um grande problema quando na verdade ele não é portador de doença hemorroidária, e está sangrando por causa de um câncer de colo retal ou câncer de intestino, que têm uma tendência a ser muito semelhante àquele causado pela doença”, explica o professor do Departamento de Cirurgia da Faculdade, Antonio Lacerda. Por isso, é essencial procurar um médico ao perceber um dos sintomas, preferencialmente o especialista, o coloproctologista.

Antonio Lacerda diz que ainda não se sabe ao certo qual é a real causa da doença, porém sabe-se que alguns hábitos de vida estão relacionados a ela. Dentre eles o sedentarismo, alimentação pobre em fibras, uso excessivo do papel higiênico para limpeza anal e demora ao evacuar, quando a pessoa passa muito tempo sentada no vaso sanitário, por exemplo, lendo. “Os pacientes portadores de hemorroidas devem ser orientados para evitar o uso de papel higiênico, fazendo a limpeza com água para evitar o atrito, não permanecerem sentados por períodos prolongados durante a evacuação, sobretudo evitando a leitura, e manter uma dieta rica em fibras, com ingestão abundante de água no sentido de favorecer as evacuações”, esclarece o professor.

[caption id="attachment_40958" align="alignleft" width="300"]Pumpkin-Spiced-Nutty-Granola Alimentação rica em fibras ajuda a evitar a doença hemorroidária. Foto: reprodução internet[/caption]

Passar a ter bons hábitos de vida é também uma forma de tratamento.Porém, em alguns casos, a cirurgia é a melhor opção para o alívio da dor. As mais comuns, também realizadas pelo SUS e pagas pela maioria dos planos de saúde, são a Milligan-Morgan e Ferguson. “Nas duas técnicas são retirados os mamilos hemorroidários, pele que reveste a parte interior do ânus, que estão machucados”, explica Magda Profeta, professora do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da UFMG. O problema dessas cirurgias é o pós-operatório, em que vários pacientes relatam muita dor e dificuldade para evacuar. Por isso existem técnicas como a ligadura elástica, em que a cirurgia não é necessária. Magda explica que a ligadura elástica é o método não cirúrgico mais utilizado e o mais eficaz. Consiste na colocação de um anel de borracha no coxim hemorroidário, que corta a circulação local e causa necrose da hemorroida, que “cai” em alguns dias.

Para aqueles pacientes que estão com doença hemorroidária, Rodrigo Gomes recomenda a ida ao médico para melhor acompanhamento do caso, e dá uma dica para diminuir o desconforto. “Sempre fazer higiene com água, utilizando o papel apenas para secar a região. Isso porque o papel higiênico pode raspar e lesionar a região que já se encontra bastante ferida”, explica.

Tema da semana

A doença hemorroidária afeta grande parcela da população, mas muitas pessoas não procuram auxilio médico, por medo ou constrangimento. No programa desta semana, o Saúde com Ciência explica como reconhecer a doença, formas de tratamento e aborda dúvidas mais frequentes:

Introdução e principais fatores - segunda-feira (21/07)

Sintomas - terça-feira (22/07)

Cirurgias - quarta-feira (23/07)

Dúvidas frequentes - quinta-feira (24/07)

Cuidados - sexta-feira (25/07)

Sobre o programa de rádio

O Saúde com Ciência é produzido pela Assessoria de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG e tem a proposta de informar e tirar dúvidas da população sobre temas da saúde. De segunda a sexta-feira, às 5h, 8h e 18h05, ouça o programa na rádio UFMG Educativa, 104,5 FM. Ele ainda é veiculado em 39 emissoras de rádio de Minas Gerais, Paraná e Estados Unidos. Também é possível conferir as edições pelo site do Saúde com Ciência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Variabilidade da frequência cardíaca pode determinar risco de morte nasepse

Trombose de veia porta após cateterismo venoso umbilical: revisão da epidemiologia, profilaxia, diagnóstico e tratamento

Raquitismo