Programa de rádio ensina a viver mais e melhor

 

Saúde com Ciência apresenta série sobre a relação entre expectativa e qualidade de vida e quais fatores podem interferir em ambas

saudecomcienciaNós estamos vivendo mais. Isso é o que revela o relatório Estatísticas da Saúde Mundial 2014, divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Uma criança que nasceu em 2012 viverá, em média, até os 72 anos – seis a mais do que a taxa estimada para as crianças que nasceram em 1990. No Brasil, a expectativa de vida aumentou cerca de dez anos, dependendo do sexo da pessoa. Mas afinal, viver mais é sinônimo de viver melhor?

“O fato de termos aumentado a nossa expectativa de vida é um bom indicador, mas não é suficiente para garantir uma qualidade de vida boa nesses anos que ganhamos a mais de vida”, pondera Sandhi Barreto, professora titular da Faculdade de Medicina da UFMG e coordenadora do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (Elsa-Brasil).

[caption id="attachment_40550" align="alignleft" width="300"]Foto: Reprodução Foto: Reprodução[/caption]

Uma forma de avaliar a relação qualidade e expectativa de vida é feita a partir da média de anos saudáveis que o indivíduo poderá ter. Esse percentual é definido pela capacidade dos órgãos de saúde em atuar na prevenção e combate de doenças precocemente, evitando complicações graves durante a terceira idade. No Brasil, a expectativa de vida saudável, apesar de também ter avançado, ainda está dez anos abaixo da expectativa geral – a diferença é a mesma de 1990.

“Essa falta de redução está relacionada a um conjunto de fatores e às desigualdades sociais em saúde”, avalia Sandhi Barreto. De acordo com a professora, as políticas públicas devem buscar, claro, o aumento da expectativa de vida saudável, para que o tempo perdido por limitações seja o mínimo possível.

A prevenção, portanto, é essencial nesse processo. Além disso, com os avanços tecnológicos atuais, é possível identificar e acompanhar um número mais elevado de patologias precocemente. As doenças cardiovasculares, principal causa de óbitos prematuros – de pessoas que viveram menos que suas expectativas – fazem parte desses avanços, uma vez que já foram consideradas evitáveis antes dos 60 anos. “Pelo que nós conhecemos e podemos modificar do risco de um indivíduo ou população adoecer e morrer por alguma dessas doenças, hoje a gente considera prematura uma morte que acontece antes dos 70 anos”, afirma Sandhi Barreto.

Outra doença a ser observada no que se refere à qualidade de vida é o diabetes. Segundo a pesquisa Vigitel, do Ministério da Saúde, ela foi diagnosticada em 6,5% dos homens e 8,1% das mulheres em 2012, números que apontam um aumento de quase 2% se comparados à pesquisa anterior, realizada em 2006. No entanto, esses dados também podem indicar que a assistência médica está mais qualificada para o diagnóstico e tratamento da população. “Há uma melhora na detecção dos casos no Brasil devido à expansão da atenção primária e da estratégia de saúde da família”, avalia a especialista.

Tema da semana


No Brasil, as taxas de mortalidade infantil giram em torno de 13 óbitos a cada mil nascimentos. As causas mais comuns são prematuridade, asfixia, infecções e malformações congênitas. Para saber mais sobre as complicações prematuras e outros assuntos, confira a programação:


Expectativa x qualidade de vida: o que melhorou? – segunda-feira (14/07/14)


Controle da mortalidade infantil – terça-feira (15/07/14)


Obesidade infantil – quarta-feira (16/07/14)


Situação das doenças cardiovasculares – quinta-feira (17/07/14)


Envelhecimento saudável – sexta-feira (18/07/14)


Sobre o programa de rádio


O Saúde com Ciência é produzido pela Assessoria de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG e tem a proposta de informar e tirar dúvidas da população sobre temas da saúde. De segunda a sexta-feira, às 5h, 8h e 18h05, ouça o programa na rádio UFMG Educativa, 104,5 FM. Ele ainda é veiculado em 39 emissoras de rádio de Minas Gerais, Paraná e Estados Unidos. Também é possível conferir as edições pelo site do Saúde com Ciência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Variabilidade da frequência cardíaca pode determinar risco de morte nasepse

Trombose de veia porta após cateterismo venoso umbilical: revisão da epidemiologia, profilaxia, diagnóstico e tratamento

Raquitismo