Manter o cérebro ativo ajuda a memória

Eu não me lembro…” quando a memória falha. Esse foi o tema da “Quarta da saúde”, que aconteceu nesta quarta-feira, 17 de setembro. Conduzida pelo professor do Departamento de Clínica Médica, Paulo Caramelli, a palestra ressaltou desde os tipos de memória às causas de sua perda.

[caption id="attachment_42350" align="alignleft" width="291"]web 1 Professor Paulo Caramelli[/caption]

Segundo o professor, a memória é um grande sistema de armazenamento de informações e citou um estudo, de 1958, que apontou que existem vários tipos dela. Nele, o paciente se submeteu a um procedimento de retirada de uma pequena região do cérebro, na tentativa de tratamento da epilepsia. Nenhuma área motora ou intelectual do jovem foi afetada, mas sua memória passou a falhar em alguns aspectos: ele não se lembrava de acontecimentos dos meses próximos à cirurgia e não conseguia gravar novas informações, mas recordava de toda sua vida anterior ao procedimento.

Caramelli explicou que existe a memória para acontecimentos novos e antigos. A consciente, de curta ou longa duração, de acontecimentos e significados das palavras, e a inconsciente – como o automatismo ao dirigir um carro que, após muitas repetições, passa a ser realizado sem perceber.

Causas e tratamento

Situações como tristeza e sobrecarga no trabalho podem levar a esquecer pequenas coisas do dia a dia. Podendo acontecer pela desatenção ou realização de muitas tarefas ao mesmo tempo. O episódio pode ser também conseqüência de fatores ligados à saúde. “Por isso, é fundamental que, quando percebidos problemas com a memória, a pessoa busque atendimento médico, para que sejam realizados testes e avaliação neuropsicológicas”, ressaltou o professor.

Outras causas da perda de memória vão da depressão à ansiedade, consumo excessivo do álcool, doenças clínicas e problemas no sono. Todas elas possuem cura, exceto a doença de Alzheimer.

Algumas medidas podem prevenir o problema: manter a saúde física, com acompanhamento médico e exames periódicos; alimentação saudável e controle rigoroso da pressão alta e diabetes. Além disto, atividades físicas regulares mostram grandes benefícios, como o aumento do hipocampo, importante região do cérebro ligada à memória.

Na melhor idade

Durante a palestra, Caramelli citou as pessoas que se aposentam e cessam muitas das atividades intelectuais que realizavam no trabalho. O professor recomenda que é essencial que essas pessoas “usem o cérebro”, seja com a leitura, jogos de xadrez ou outros exercícios e atividades .“Tocar um instrumento, por exemplo, exige coordenação motora e atenção auditiva. Associando vários fatores numa mesma atividade, os benefícios são ainda maiores”, contou.

web2Na segunda parte da palestra, quando o público pode tirar suas dúvidas, Paulo Caramelli foi questionado se alguns medicamentos realmente ajudam a memória, como os vendidos nos Estados Unidos, os chamados “energéticos para a memória”, que prometem melhorá-la. O professor esclareceu que nenhuma pesquisa comprova que esses medicamentos ajudam na melhoria da memória.

Sobre o Quarta da Saúde

A próxima edição do projeto “Quarta da Saúde” acontece no dia 22 de outubro, às 12h30, na sala 150 da Faculdade de Medicina da UFMG. O tema será “Reumatismo: o que devo saber”, com a professora do departamento do Aparelho Locomotor, Cristina Lana. A participação é gratuita e aberta a todos os interessados, sem necessidade de inscrição prévia.

O projeto “Quarta da Saúde” visa abordar temas sobre saúde de forma ampla e com linguagem acessível ao público em geral. A iniciativa é do Centro de Extensão (Cenex-MED) e da Assessoria de Comunicação Social (ACS) da Faculdade de Medicina da UFMG.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Variabilidade da frequência cardíaca pode determinar risco de morte nasepse

Trombose de veia porta após cateterismo venoso umbilical: revisão da epidemiologia, profilaxia, diagnóstico e tratamento

Raquitismo