Novas epidemias de gripe são esperadas e podem ser superadas

Saúde com Ciência apresenta série sobre a gripe e tira dúvidas sobre a mutação do vírus Influenza e a vacina contra a doença

saudecomcienciaUsar máscaras de proteção respiratória e evitar aglomerações foram algumas medidas adotadas por cidadãos do mundo todo em 2009. Isso porque, naquele ano, os órgãos de saúde presenciaram uma epidemia do vírus Influenza A H1N1, a popular gripe suína, que levou ao óbito mais de dez mil pessoas. Essa, no entanto, não é uma situação isolada – crises semelhantes são esperadas a cada década.

“É esperado que a cada dez anos ocorra uma grande mutação genética no vírus da gripe”, afirma o infectologista e professor da Faculdade de Medicina, Unaí Tupinambás. Segundo ele, o patógeno sofre alterações anualmente e, embora na maioria das vezes as mudanças sejam sutis, existe a possibilidade de uma nova cepa surgir a partir do contato com outros tipos de vírus da doença. “O vírus pode pegar uma parte do vírus da ave ou de outro animal e sofrer uma alteração genética. Nesses casos, uma pandemia pode acontecer”, explica Tupinambás.

[caption id="attachment_42068" align="alignleft" width="300"]gripe-suina1 Em 2009, "gripe suína" causou impacto em escala global. Foto: Reprodução / Internet[/caption]

Quando isso ocorre, é possível que o ser humano não tenha uma memória imunológica para se proteger. Por outro lado, o mundo atual está mais preparado para lidar com novas situações de emergência. De acordo com o infectologista, assim que um novo tipo de vírus é descoberto, os órgãos de saúde emitem um alerta à Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre esses riscos.

“A partir daí, as autoridades sanitárias começam a preparar tanto o serviço público de saúde quanto a população para lidar com a doença”, comenta o professor. Entre algumas medidas que são adotadas estão práticas de higiene e prevenção, além de restrições a viagens internacionais para países com possíveis surtos. “Em Belo Horizonte, nós temos sentinelas. No início de outono e inverno, época em que começa os quadros gripais, é pesquisado qual tipo de vírus está causando a doença”, exemplifica Unaí Tupinambás. “Todo ano é feita essa vigilância”, ressalta.

Prevenção

Ação semelhante é utilizada pelo Ministério da Saúde para elaborar a vacina contra a gripe, composta por vírus inativados de três subtipos diferentes que circularam no inverno passado. Neste ano, a medicação continha cepas do H1N1, H3N2 e Influenza B.

A vacina é recomendada principalmente para crianças com idade entre seis meses a cinco anos, idosos com mais de sessenta anos, trabalhadores do serviço de saúde, povos indígenas, gestantes, população privada de liberdade e funcionários do sistema carcerário, além de pacientes portadores de doenças crônicas.

Tema da semana


Confira a programação da série Gripes:


Características mutáveis do vírus Influenza – segunda-feira (08/09/2014)


Vacinação contra a gripe – terça-feira (09/09/2014)


Novos casos: como proceder? – quarta-feira (10/09/2014)


Mitos e verdades – quinta-feira (11/09/2014)


Situação atual de controle – sexta-feira (12/09/2014)


Sobre o programa de rádio


O Saúde com Ciência é produzido pela Assessoria de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG e tem a proposta de informar e tirar dúvidas da população sobre temas da saúde. De segunda a sexta-feira, às 5h, 8h e 18h05, ouça o programa na rádio UFMG Educativa, 104,5 FM. Ele ainda é veiculado em 54 emissoras de rádio de Minas Gerais, Paraná e Estados Unidos. Também é possível conferir as edições pelo site do Saúde com Ciência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trombose de veia porta após cateterismo venoso umbilical: revisão da epidemiologia, profilaxia, diagnóstico e tratamento

Variabilidade da frequência cardíaca pode determinar risco de morte nasepse

Raquitismo