Alergia

É a sensibilidade exagerada do sistema imunológico a alimentos, alguns medicamentos e substâncias do ambiente. Alguns exemplos são poeira doméstica, fungos, pelo de animais e pólen. Em contato com esse componente, o sistema imune provoca os sinais típicos nos olhos, nariz, pele, pulmões ou intestino, provocando  coceira,  vermelhidão,  lacrimejamento,  tosse,  chiado,  falta  de  ar,  coriza, obstrução nasal e espirros. Parte importante no tratamento dessa doença consiste no controle do agente causador. A causa mais comum para as alergias respiratórias é o ácaro presente na poeira domiciliar. Esse organismo se alimenta de restos de alimentos e pele descamada, se alojando aos milhares em cortinas, tapetes, bichos de pelúcia, cama, móveis, colchas e travesseiros. Dessa forma, o paciente alérgico deve tomar medidas para evitar o acúmulo de poeira e do ácaro. Alguns exemplos são encapar travesseiro e colchão com material impermeável, trocar roupas de cama semanalmente, evitar bagunça  e  muitos  adornos  no  quarto,  realizar  a  limpeza  somente  com  pano  úmido,  preferir  cortinas  de material sintético e edredons de nylon, e evitar tapetes e carpetes. Esses cuidados devem ser aplicados de preferência em  toda a casa,  dando  atenção  especial  ao  cômodo  em  que  o  paciente  frequenta  mais, normalmente o quarto de dormir. A atividade física é sempre aconselhável e o fumo deve ser evitado pelo paciente e pelas pessoas próximas a ele.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Variabilidade da frequência cardíaca pode determinar risco de morte nasepse

Trombose de veia porta após cateterismo venoso umbilical: revisão da epidemiologia, profilaxia, diagnóstico e tratamento

Raquitismo