Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2016

Salário Maternidade Licença Maternidade

As trabalhadoras que contribuem para a Previdência Social têm direito ao salário maternidade nos 120 dias em que ficam afastadas do emprego por causa do parto. Para as trabalhadoras empregadas, empregadas domésticas e trabalhadoras avulsas, não é exigido tempo mínimo de contribuição à previdência social desde que comprovem filiação nesta condição na data do afastamento para fins de salário maternidade ou na data do parto (considera-se parto o nascimento ocorrido a partir da 23ª semana de gestação, inclusive natimorto). A contribuinte facultativa e a individual têm que ter pelo menos dez contribuições para receber o salário maternidade. A segurada especial receberá o benefício se comprovar no mínimo dez meses de trabalho rural. Se o nascimento for prematuro, a carência será reduzida no mesmo total de meses em que o parto foi antecipado. Nos abortos espontâneos ou previstos em lei (estupro ou risco de vida para a mãe), será pago o salário maternidade por duas semanas.

O salário maternid…

Leite materno

Leite fraco: o que fazer?

Alimentação da criança de 1 a 2 anos

Horário
Tipo de alimentação
Observações


Ao acordar
Leite materno ou mamadeira. Pode ser complementado ou substituído pelo “café da manhã”: leite no copo, pão, biscoito, etc
Em torno dos dois anos de idade, a criança não deverá estar mais mamando, no peito ou na mamadeira, exceto por sobrevivência nutricional.




No meio da manhã

(9 horas)
Suco ou “vitamina” de frutas (laranja, cenoura, tomate, pêra, beterraba, maçã, mamão, abacate, etc). Pode acrescentar leite, mel, um tipo de farinha de cereal, biscoito, etc.


Oferecer em copo e colher, tão logo seja possível.

Estimule a criança a comer com suas próprias mãos. Para algumas crianças essa refeição deve ser bem leve, para não “atrapalhar” o almoço.


Horário do almoço
Refeição dos adultos, adaptada (“comidinha”)
A partir de um ano e três meses estimule a criança a usar sozinha a colher.




No meio da tarde

(15 horas): merenda
Frutas; leite ou café com leite; papa de leite com biscoitos, pão ou um tipo de farinha de cereais; mingau de leite com u…

Alimentação da criança de 6 meses a 1 ano

Horário
Tipo de alimentação
Observações


Ao acordar
Leite Materno
Pode ser complementado pelo “café da manhã”: leite no copo, pão, biscoito.




No meio da manhã

(9 horas)
Suco ou “vitamina” de frutas (laranja, cenoura, tomate, maçã, pêra, beterraba, abacate, mamão etc). Pode acrescentar leite, mel, um tipo de farinha de cereal.
Oferecer na colher, se possível. Estimular a criança a comer biscoito, pão, com suas mãos. Completar com leite materno, se necessário.


Horário do almoço
Sopa de legumes
Pode ser completado com leite materno ou uma sobremesa: suco, doce, gelatina, pudim, sorvete, etc.




No meio da tarde

(15 horas): merenda
Frutas amassadas ou raspadas: maçã, pêra, banana, mamão; papa de leite com biscoitos, pão ou um tipo de farinha de cereais; mingau de leite com um tipo de farinha; gelatina; iogurte, etc.
Oferecer na colher.


À tardinha (18 horas)


Leite materno.

A partir dos 7 meses começar o jantar (sopa de legumes)
O jantar pode ser complementado com leite materno ou suco, fruta, p…

Alimentação da criança até os seis meses de idade: aleitamento misto

A introdução de outros alimentos, além do aleitamento materno, até os seis meses, dependerá da necessidade da mãe (trabalho fora de casa, por exemplo) ou da criança (ganho insuficiente de peso, por exemplo).

Alimentação da criança até os seis meses de idade: aleitamento materno exclusivo

A Organização Mundial de Saúde preconiza o aleitamento materno exclusivo, sem complementos (como chás, sucos, etc) até os seis meses de vida.

Amamentação

É o ato de nutrir o filho com seu próprio leite.

Alimentação

É uma prática natural, que cada família realiza de acordo com seus valores e suas posses. 

Vulvovaginite

É a inflamação da vagina e da vulva. 

Vômito em jato

É o vômito que ocorre subitamente, sem enjoos e às vezes de maneira violenta.

Vômito bilioso

É o vômito cuja coloração é dada pela bile – substância produzida pelo fígado e armazenada na vesícula biliar que prepara a gordura ingerida na dieta para ser digerida mais facilmente.

Sinais de alerta em pediatria

São sinais identificados na avaliação da criança que auxiliam no reconhecimento de situações de urgência e emergência pediátrica. 

Urticária

É o aparecimento súbito de bolinhas vermelhas que coçam muito, sobre uma região de inchaço da pele. 

Tuberculose

É uma doença infecciosa causada por uma bactéria que afeta principalmente os pulmões, podendo ocorrer em outros órgãos como intestino, ossos e rins.

Teste do pezinho

É um exame de triagem neonatal realizado para detectar diferentes doenças.

Políticas públicas melhoram condições de envelhecimento em BH

Imagem
Apesar dos avanços, idosos de Belo Horizonte têm hábitos de vida piores que os de Nova Iorque, cidade com forte cultura do Fast Food
Embora o Brasil tenha 23,5 milhões de pessoas idosas, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o país ainda não está preparado para cuidar da saúde desses indivíduos. É o que explica a terapeuta ocupacional e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da Faculdade de Medicina da UFMG, Luciana de Souza Braga, que analisou dados do primeiro e segundo “Inquérito de Saúde da Região Metropolitana de Belo Horizonte”, realizados em 2003 e 2010, respectivamente.

“A população brasileira envelheceu muito rápido. Na França, por exemplo, essa mudança foi gradual, com mais de cem anos para adequação das políticas públicas”, conta Luciana. “Já o Brasil não teve tempo para essas adequações e isso se reflete no que é ofertado hoje para os idosos”, afirma.

Luciana analisou indicadores do envelhecimento ativo e da condição de sa…

Centros de Referência oferecem auxílio multidisciplinar às vítimas de violência sexual

Imagem
Segundo dados das Delegacias Especializadas no Atendimento à Mulher (Deams), 15 mil casos de estupro são registrados por ano no Brasil. Ainda assim, estima-se que a incidência destes crimes é subnotificada: menos de 10% das ocorrências chegam às delegacias, devido ao constrangimento e medo de humilhação que as vítimas sentem, por exemplo.

“Outro problema que pode afetar essas estatísticas e, consequentemente, as ações de combate e prevenção, é a revitimização da mulher”, explica a autora de pesquisa defendida junto ao Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde e Prevenção da Violência da Faculdade de Medicina da UFMG, Maria Flávia Brandão.

[caption id="attachment_51966" align="alignleft" width="300"] Foto: reprodução/internet[/caption]

“A vítima de uma violência sexual costuma ter medo de expor o caso, e tinha que passar por uma delegacia de polícia, para fazer a abertura do inquérito policial, no Instituto Médico Legal (lML), para coleta de vestígios do…