Postagens

Mostrando postagens de Março, 2017

Pesquisador é o primeiro a concluir pós-doutorado do programa de Oftalmologia

Imagem
[caption id="attachment_55634" align="alignleft" width="225"] Rafael Vidal Mérula e Sebastião Cronemberger. Foto: Arquivo Pessoal[/caption]

O oftalmologista Rafael Vidal Mérula foi o primeiro a concluir o pós-doutorado do Programa de Pós-Graduação em Ciências Aplicadas à Cirurgia e à Oftalmologia da Faculdade de Medicina da UFMG. Ele desenvolveu a pesquisa "Análise Tardia da Espessura da Camada de Fibras Nervosas Retinianas após o Fechamento Angular Primário Agudo Unilateral", com orientação do professor do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia, Sebastião Cronemberger.

O pesquisador explica que o objetivo do trabalho foi observar as repercussões anatômicas tardias causadas por uma crise de glaucoma agudo, suas correlações com as alterações funcionais do olho e a análise de fatores que podem contribuir para os danos na visão. “A crise de glaucoma agudo ou fechamento angular primário agudo, acarreta danos graves e muitas vezes irrevers…

Refletindo sobre anticoncepção e proteção

Em 2016, após a publicação do artigo “Efficacy and Safety of an Injectable Combination Hormonal Contraceptive for Men” no “The journal of clinical endocrinology & metabolism”, uma nova forma de anticoncepção foi muito comentada: o contraceptivo hormonal masculino. Estudos foram realizados utilizando injeções intramusculares de testosterona sintética e enantato de noretisterona, que é um derivado de progesterona e estrogênio, aplicadas a cada 8 semanas. No entanto, tal experimento foi interrompido devido aos inúmeros – e inesperados- efeitos colaterais, que foram desde aumento da libido e ocorrência de acne até alterações no humor e comportamento.

Além dos efeitos colaterais, é importante levantar que alguns aspectos culturais da sociedade podem levar a certa resistência por parte dos homens ao uso do anticoncepcional, com a falsa crença de que esse poderia levar à impotência ou infertilidade. Nesse ponto, é fundamental esclarecer que todo medicamento novo passa por um processo meti…

Prejuízos cognitivos na doença falciforme demandam cuidados preventivos

Imagem
Estudo da UFMG avaliou os sistemas cognitivos de crianças e jovens com anemia falciforme sem episódios de AVC.


[caption id="attachment_55108" align="alignleft" width="300"] Imagem: reprodução/internet[/caption]

Doença genética e sistêmica que afeta o sangue e provoca diversas alterações no organismo, como crises de dor e obstrução de vasos sanguíneos, a doença falciforme pode afetar também os processos de aquisição de conhecimento (cognitivos) devido a alterações no funcionamento do cérebro. Diante disso, mesmo pessoas com a doença que não sofreram episódios de acidente vascular cerebral (AVC) podem sofrer danos nas funções cognitivas, tais como percepção, atenção e memória, e terem, como consequência, prejuízo no desempenho escolar ou em outros setores da vida em geral.

Para analisar o desenvolvimento cognitivo desses pacientes, tese defendida no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Faculdade de Medicina da UFMG avaliou 64 crianças e adolescen…