Prejuízos cognitivos na doença falciforme demandam cuidados preventivos

Estudo da UFMG avaliou os sistemas cognitivos de crianças e jovens com anemia falciforme sem episódios de AVC.




[caption id="attachment_55108" align="alignleft" width="300"] Imagem: reprodução/internet[/caption]

Doença genética e sistêmica que afeta o sangue e provoca diversas alterações no organismo, como crises de dor e obstrução de vasos sanguíneos, a doença falciforme pode afetar também os processos de aquisição de conhecimento (cognitivos) devido a alterações no funcionamento do cérebro. Diante disso, mesmo pessoas com a doença que não sofreram episódios de acidente vascular cerebral (AVC) podem sofrer danos nas funções cognitivas, tais como percepção, atenção e memória, e terem, como consequência, prejuízo no desempenho escolar ou em outros setores da vida em geral.

Para analisar o desenvolvimento cognitivo desses pacientes, tese defendida no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Faculdade de Medicina da UFMG avaliou 64 crianças e adolescentes com anemia falciforme – tipo mais comum e grave da doença – sem episódio anterior de infarto cerebral manifesto. O grupo, formado por indivíduos dos 7 aos 13 anos diagnosticados pelo Programa de Triagem Neonatal de Minas Gerais e atendidos pela Fundação Hemominas, foi comparado a outros 64 sujeitos de mesma faixa etária e sem a doença (grupo controle). “O grupo de pacientes teve pior desempenho em todas as medidas cognitivas do WISC III (teste de inteligência de referência mundial) quando comparadas ao grupo controle”, declara a psicóloga Isabel Castro, pesquisadora responsável pelo estudo.

Os resultados, segundo Isabel, serão importantes para planejar ações de reabilitação e auxiliar as escolas na oferta de um melhor acompanhamento pedagógico, visando às necessidades das pessoas com doença falciforme.

INFARTOS CEREBRAIS SILENCIOSOS E COGNIÇÃO

Do grupo de crianças e adolescentes com doença falciforme, cerca de 31% apresentaram a ocorrência de infartos cerebrais silenciosos (ICS). Diferentemente do AVC, os ICS, identificados por técnicas de imagem, são assintomáticos no que diz respeito a manifestações clínicas evidentes.

Segundo Isabel, a hipótese anterior ao estudo era de que a capacidade cognitiva dos pacientes com ICS seria menor em relação àqueles que não tem, em conformidade com grande parte da literatura internacional. Porém, a pesquisa revelou que não houve diferença significativa entre as funções cognitivas dos pacientes com e sem ICS: “Vimos que não necessariamente aquele sujeito sem lesão não tem perda na conexão cerebral, o que mostra que a anemia falciforme é muito mais silenciosa em termos cognitivos do que achávamos em Minas Gerais”. Assim, o sujeito pode estar bem clinicamente, mas isso não garante que não há perda ao longo da vida: “Os danos cognitivos são intensos e se manifestam mesmo na ausência de infartos silenciosos o que, a nosso ver, requer abordagem preventiva precoce para evitar tais prejuízos”.

[caption id="attachment_55109" align="alignright" width="300"] Isabel Castro utilizou o teste WISC para avaliar cognição. Foto: Carol Morena.[/caption]

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS

Ao comparar os indivíduos dos dois grupos para um mesmo nível socioeconômico, a pesquisa revelou que aqueles com doença falciforme tiveram, em média, um QI (quociente de inteligência) 21 pontos menor do que a média do grupo controle. Isso indica que a doença, ajustada para o efeito socioeconômico, é forte preditora do QI total. “Nosso resultado é assustador, muito pior do que imaginávamos. Ele mostra que a doença é que afeta a cognição, embora de forma silenciosa e assintomática”, alerta Isabel.

[caption id="attachment_55110" align="alignleft" width="300"] Infográfico (clique para ampliar). Arte: CCS Faculdade de Medicina UFMG.[/caption]

TRABALHO INOVADOR E PERSPECTIVAS

A pesquisadora explica que, em Minas Gerais, o trabalho apresenta aspecto inovador: “Trata-se de um estudo robusto, talvez um dos maiores da população mundial. Isso deve-se ao número de crianças e adolescentes com anemia falciforme considerados e ao conjunto dos exames feitos: avaliação psicológica, dados hematológicos e ressonância magnética”.

Para Isabel, a pesquisa mostrou a necessidade de serem formuladas políticas públicas em Educação, Saúde e Assistência que melhorem o acesso e garantam a permanência desse público nas instituições educacionais. Uma das iniciativas neste sentido é o projeto “Saber para Cuidar: doença falciforme na escola”, do Cehmob-MG, parceria entre Faculdade de Medicina da UFMG (Nupad) e Fundação Hemominas. “Criado em 2012, o projeto busca fortalecer a capacidade técnica e política dos profissionais de educação em doença falciforme na perspectiva de educação inclusiva e atenção integral”, informa a psicóloga, também coordenadora do projeto. Neste ano, o Saber para Cuidar, em parceria com o Ministério da Educação, pretende capacitar mais de mil profissionais da rede municipal em Minas Gerais, Bahia, Rio de Janeiro, Pernambuco e Maranhão, estados com as maiores incidências da doença.

O estudo sugere, também, para implantação imediata, a inserção de protocolo de avaliação psicológica no seguimento de crianças com anemia falciforme para auxiliar as condutas médicas, pedagógicas e dos assistentes sociais. “Isso permitiria identificar os possíveis prejuízos de forma mais objetiva e as intervenções poderiam ser feitas de modo mais científico”, observa Isabel.

Ainda, para a pesquisadora, considerando-se a gravidade da doença e os prejuízos cognitivos, o uso da hidroxiureia, medicamente indicado atualmente apenas para pessoas com doença falciforme que apresentem crises álgicas intensas e internações recorrentes, poderia ser recomendado a todas as crianças com a doença, desde os dois anos: “É imprescindível que estudos clínicos com o uso de hidroxiureia meçam, além dos efeitos clínicos e laboratoriais, a possível influência no desenvolvimento cognitivo dos lactentes com anemia falciforme”.

Tese: Avaliação de sistemas cognitivos na anemia falciforme: estudo comparativo de crianças e adolescentes com e sem infartos cerebrais silenciosos.

Autor: Isabel Pimenta Spínola Castro

Data da defesa: 02/12/2016

Orientação: Prof. Marcos Borato Viana – UFMG

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Raquitismo

Variabilidade da frequência cardíaca pode determinar risco de morte nasepse

Recomendações sobre sono seguro