Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2017

Sóndrome de Gilbert

A Síndrome de Gilbert é muito comum, ocorre em 5 a 7% da população e é uma alteração que possui caráter hereditário em que há redução na atividade da enzima que transforma a bilirrubina indireta em bilirrubina direta no fígado. Dessa forma, há um acúmulo de bilirrubina indireta que pode levar a icterícia (amarelamento dos olhos e da pele). Durante a maior parte do tempo, os pacientes são assintomáticos, mas em situações em que há redução mais acentuada da atividade da enzima, como alterações hormonais na adolescência, exercício físico intenso, infecções e jejum prolongado, a bilirrubina indireta pode aumentar a ponto de causar icterícia.

Trata-se de uma condição benigna em que não há alterações na estrutura e na função do fígado, que não gera complicações a longo prazo e que não necessita de tratamento específico.

Retocolite ulcerativa

A retocolite ulcerativa é uma doença inflamatória intestinal crônica de causa desconhecida que acomete inicialmente o reto (porção final do intestino) e pode ser estender continuamente até porções mais iniciais do intestino grosso. Seu curso ocorre em períodos de exacerbação dos sintomas e períodos de remissão. Os sintomas surgem em graus variados, com dor abdominal, diarréia com ou sem sangue, evacuações noturnas, dificuldade e urgência para evacuar. Pode ocorrer perda de peso, atraso no crescimento, atraso na puberdade e anemia. A doença não tem cura, mas existe controle medicamentoso. O diagnóstico é baseado na clínica e na colonoscopia com biópsia. O tratamento e acompanhamento devem ser feitos periodicamente pelo médico.

Pólipos intestinais

Trata-se de uma pequena saliência ou “caroço” que cresce principalmente no intestino grosso. O pólipo intestinal pode surgir em qualquer idade e pode não apresentar sintomas por muito tempo. Quando ocorre em crianças, geralmente corresponde a pólipo juvenil esporádico, sendo considerado um processo inflamatório sem potencial para se transformar em câncer. Quando há sintomas, os mais comuns são dor abdominal, sangramento vermelho vivo nas fezes, prolapso através do ânus. Nos adultos, os pólipos podem ter potencial maligno e a abordagem é diferente.

A colonoscopia (endoscopia do intestino) é o exame utilizado para diagnóstico do pólipo e muitas vezes também para seu tratamento, já que a maioria dos pólipos pode ser retirado durante o exame. Após sua retirada, eles deverão ser analisados no laboratório e o acompanhamento médico dependerá do número, tamanho, localização e tipo da lesão.

Oxiuríase

A oxiuríase é uma parasitose intestinal causada pelo verme conhecido como oxiúros. Ocorre no mundo todo, principalmente em locais em que há mais aglomerações, como creches, conjuntos habitacionais, entre outros. O principal sintoma é a coceira na região anal, principalmente à noite, produzido pela presença de vermes na região. Podem ocorrer também cólica abdominal, náuseas, alteração do sono e, em meninas, vulvovaginite (infecção da genitália devido à migração dos vermes para o local).

A transmissão ocorre principalmente através da passagem dos ovos do verme de pessoa a pessoa ou através de objetos, água ou alimentos contaminados. A autoinfecção ocorre principalmente em crianças contaminadas, ao levarem a mão à boca após coçar a região anal. É comum a infecção acontecer entre várias pessoas da família ao mesmo tempo.

O tratamento é indicado pelo médico. É importante trocar as roupas de cama durante o tratamento, tratar todos os moradores da casa e lavar sempre as mãos todas as vezes que…

Má rotação intestinal

A má rotação intestinal abrange uma série de defeitos na rotação e fixação do intestino que ocorrem durante o desenvolvimento fetal. Essas alterações podem cursar com poucos sintomas, no entanto, é frequente casos mais graves em que há graus diferentes de obstrução, torção e hérnia intestinal. Mais da metade dos recém-nascidos irão manifestar a alteração no primeiro mês de vida, ocorrendo mais frequentemente vômitos com presença de bile, associados a distensão e cólica abdominais.

O tratamento para correção da má rotação intestinal é cirúrgico.

Litíase biliar

É a presença de cálculo no interior da vesícula biliar. Os cálculos biliares são formações semelhantes a pedras que se formam no interior da vesícula biliar, um órgão em formato de bolsa que armazena a bile que é produzida no fígado. Os cálculos biliares se formam quando ocorre um desequilíbrio entre as diversas substâncias que compõem a bile, sendo aproximadamente 90% deles formados por colesterol e 10% por pigmentos biliares.
A maioria dos pacientes não apresenta sintomas. Quando ocorre, sua manifestação principal é dor abdominal. O tratamento deve ser discutido com o médico, mas, pelo potencial de evoluir com complicações, é comum que decida-se pela retirada cirúrgica da vesícula.

Incontinência fecal

É a incapacidade de controlar a eliminação das fezes, levando a perda involuntária das fezes pelo ânus. É uma condição frequente, que perturba o equilíbrio emocional, psicológico e social do paciente, afetando sua qualidade de vida. Pode ser causada por traumas, constipação intestinal crônica, cirurgias, danos neurológicos, infecções, envelhecimento, entre outras.

Helicobater Pylori

Helicobacter pylori (H. pylori) é uma bactéria que consegue habitar e sobreviver no ambiente ácido do estômago do ser humano. Está presente no estômago de 50% da população nos países desenvolvidos e cerca de 80% no mundo em desenvolvimento. A contaminação ocorre pela ingestão da bactéria, principalmente na infância e, geralmente, permanece por toda a vida.

A maioria das pessoas não apresenta sintomas relacionados à infecção, mas uma parcela da população pode desenvolver úlcera péptica, gastrite crônica e/ou câncer de estômago. A detecção da bactéria pode ser feita através do teste respiratório da ureia ou por biópsia por endoscopia digestiva.

Giardíase

A giardíase é uma infecção intestinal causada por um protozoário, o Giardia lamblia. É uma das parasitoses mais comuns em todo o mundo. Pode causar impacto na qualidade de vida e no estado nutricional.

Sua transmissão ocorre através das fezes de um indivíduo infectado, que pode contaminar água, alimentos e mãos.

Apresenta um amplo espectro de sintomas, mas a maioria dos indivíduos é assintomática. As manifestações mais frequentes são dor ou cólica abdominal, náuseas e diarreia aguda ou crônica. Ocorre períodos de exacerbação e má absorção, com fezes gordurosas, muito fétidas e que flutuam no vaso sanitário.

O diagnóstico é feito através do exame de fezes.

Fístula

É uma passagem ou um canal que comunica, de forma anormal, duas estruturas que normalmente não se comunicam. Pode ocorrer entre duas estruturas internas ou comunicar uma estrutura interna à superfície do corpo. Quando adquiridas, surgem devido principalmente à doenças como doença de Crohn, cirurgias e traumas.

Estenose hipertrófica do piloro

O piloro é um anel muscular, situado na porção final do estômago, que funciona como uma válvula, controlando a passagem do alimento para o duodeno, a primeira porção do intestino delgado. A estenose hipertrófica do piloro ocorre quando há um aumento da musculatura que forma esse anel, causando um estreitamento da passagem para o intestino e obstruindo a progressão do alimento.

Predomina no sexo masculino e nos primogênitos. A criança com essa condição apresenta, geralmente nas primeiras semanas de vida, um quadro de vômitos frequentes, progressivos, em jato, de leite não digerido.  Ao exame, pode apresentar-se desidratada e desnutrida. Além disso, é possível observar ondas de peristaltismo (movimentação do trato gastrointestinal) e pode-se palpar uma tumoração na região do estômago, que corresponde ao piloro com musculatura aumentada.

Seu tratamento é a correção cirúrgica.

Dispepsia

É caracterizada por sintomas relacionados ao aparelho digestivo alto, que se manifestam na região superior do abdome, como dor, náuseas, azia, regurgitação, saciedade precoce, desconforto ou sensação de empachamento após as refeições, dificuldade ou dor para engolir.

Pode ser manifestação de diferentes doenças, como doença do refluxo gastroesofágico e úlcera péptica ou pode ser funcional, quando não encontra-se uma doença de base orgânica.

Crohn

A doença de Crohn é uma doença inflamatória que pode atingir qualquer parte do tubo digestivo, sendo mais comum o final do intestino delgado (íleo) e o intestino grosso. Seus sintomas mais comuns são diarreia, dor abdominal, perda de peso, febre e sangramento nas fezes. Pode ter manifestações em outras partes do corpo, como pele, articulações e fígado. Acontece tanto em adultos quanto em crianças e não possui uma causa esclarecida, mas relaciona-se a uma resposta imunológica anormal, ou seja, a uma desregulação do sistema de defesa do organismo.

O diagnóstico é feito a partir da história clínica, exames endoscópicos e biópsia do intestino. Ainda não possui cura, mas o tratamento consegue, na maioria das vezes, controlar a doença, permitindo longos períodos sem sintomas.

Alergia à proteína do leite de vaca

É uma resposta anormal do organismo à exposição a um dos componentes do leite: a proteína. Ocorre quando o corpo do indivíduo reage combatendo o alimento ingerido como se este fosse um agente agressor, ou seja, há uma resposta exagerada do sistema de defesa.

A proteína do leite é a principal causa de alergia alimentar em crianças com menos de três anos, mas pode ocorrer em todas as idades. Ocorre por uma associação de fatores e o principal fator de risco é a história familiar de alergia, incluindo a alergia alimentar.

Após ingestão do leite do leite de vaca, os sintomas podem aparecer imediatamente ou demorar de horas a dias, podendo ser mais ou menos graves. Os principais sintomas são relacionados à pele e ao sistema digestivo (ver cartilha) e podem prejudicar o crescimento e o desenvolvimento da criança. Por isso, o diagnóstico correto é necessário para que seja iniciada uma dieta adequada.

A grande maioria das crianças resolve a alergia à proteína do leite de vaca ainda nos primeiros …

Estudo traça perfil das perícias médicas de alunos da área da Saúde

Imagem
Estudantes que trancaram curso de Medicina têm até vinte e nove vezes mais risco de evasão
Ives Teixeira Souza*


[caption id="attachment_58017" align="alignleft" width="300"] Foto: Carol Morena.[/caption]

Combater os altos índices de abandono dos cursos superiores é uma das metas do Ministério Educação, que considera a evasão um dos principais problemas da educação superior no Brasil. Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), houve um crescimento na taxa de abandono do curso de ingresso, de 11,4%, para 49%, em 2014.

Para tentar desvendar a relação entre os trancamentos e a evasão dos alunos, a enfermeira Maria do Rosário Santos, pesquisadora do programa de Pós-Graduação em Promoção de Saúde e Prevenção da Violência da Faculdade de Medicina da UFMG, desenvolveu dissertação sobre os laudos periciais dos estudantes da área de Saúde da UFMG. “O acompanhamento das dificuldades que os alunos enfrenta…